sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

OPACIDADE



Há dias onde o sol parece ter se ocultado, não ansiando por raios ou calor. Dias de densas nuvens e céu sombrio, dias de grandes afetamentos.
Dias assim dilatam nossas deliquências e reações, nossas carências e resoluções...
Em dias nublados SOMOS MAIS QUEM DE FATO SOMOS e começamos a perceber - se dermos atenção - do que o nosso coração está cheio, porque fatalmente, nossos lábios o denunciará.
E o espelho que amávamos em dias de glórias e aplausos, surge opaco e ameaçador, apontando tudo o que não queremos ver!
São dias de luto, de convites desagradáveis para negarmos nossa forte vontade, dias de verdades absolutas apresentadas e as mentiras sustentadas (por nós mesmos) enfraquecidas!
Num primeiro momento, dias escuros são cruéis, e de fato o são, porque nos apontam os lugares mais escondidos em nós; enxergar isso é uma visita ao nosso próprio mercado adâmico.
A razão fica engessada e o íntimo dilatado, nada grita mais alto que a nossa alma em dias assim.
Dispômo-nos a fuga.
...
Deus não abre mão dos ventos congelantes e de espelhos postos. Ainda que fujamos, Ele nos encontrará. Porque em dias assim, somos convidados ao óbito, e apesar de não compreendermos, a LUZ está sendo posta.
Nenhum de nós, que anelamos por verdade, seriedade e comprometimento seremos poupados.
Esse é o caminho, andemos por ele.







Um comentário: