terça-feira, 28 de outubro de 2014

OS CICLOS DO NEGUEBE



Completamente entregue à lida da batalha,
Compreendendo não ser minha, a MÃO que a história talha,
Ora em solitude,
Ora plena de "gentes",
Aprendendo a discernir o eterno do temporal.
Eu avanço pelos ciclos do Neguebe
E sei que antes da chuva abundante,
Das torrentes que inundam,
Serei marcada pela seca,
A aridez que me confunde,
O silêncio que me faz chorar.
Com o olhar fixo no Cristo,
Em terras dantes tatuadas pelo sofrer
Recebo a chuva que me aviva,
Que me conforma,
Que me prepara como instrumento legítimo
Me assemelhando a FONTE ÚNICA de poder.
Ahhh, dias de semear em prantos,
Com desolação aparente a sorrir,
Para enfim colher os frutos
Para o AGORA e o que há de VIR!!!




quarta-feira, 22 de outubro de 2014

QUANDO VOCÊ VEM...



Quando VOCÊ vem,
Minha acidez é substituída por ternura,
E ouso sorrir com minha alma,
Um sorriso que encanta, inspira e acalma.

Quando VOCÊ vem,
Na madrugada escura do dia que vai nascer
Sinto-me amada, desejada, querida...
Posso ver na canção o nosso cenário de amor,
Eterno e fecundo em VIDA.

E pela transparência daquilo que "ainda" nos separa
Toco com leveza porções da eternidade
Vejo seu olhar fitando-me,
Seu ardente anseio a buscar-me,
Ambos caminhamos pela cortina do tempo
Sabedores que em breve ela se desfará!